Bioética y sociedad

Trastorno facticio impuesto a uno mismo e impuesto a otro

Palabras clave: Síndrome de münchhausen, Trastorno facticio, Medicina psicosomática, Interdisciplinariedad, Enfermería, Bioética

Resumen

El objetivo es comprender el síndrome de Münchhausen, con la descripción de sus causas, criterios de identificación, signos clínicos, diagnóstico y tratamiento, así como la asistencia brindada en enfermería y el equipo interdisciplinario en cuanto a la bioética. Es una revisión narrativa de la literatura con un carácter exploratorio reflexivo, con un enfoque cualitativo. Se realizaron búsquedas de estudios en revistas publicadas entre 2009 y 2019, y una muestra final que consta de 30 artículos, además de libros, manuales y reglamentos. Los resultados presentados corroboran el conocimiento de la quinta edición del Manual Diagnóstico y Estadístico de los Trastornos Mentales, en el que el término “síndrome de Münchhausen impuesto a uno mismo” fue reemplazado por “trastorno facticio autoimpuesto”, y el “síndrome de Münchhausen por proxy” se alteró a “trastorno facticio impuesto

a otro”, ante la Bioética. Las personas con trastorno facticio tienden a buscar tratamiento para sí mismas o para otros. El comportamiento de estos pacientes aumenta la probabilidad de tener una enfermedad física e incluso la muerte, causada por el uso excesivo de medicamentos y como resultado de varios procedimientos invasivos. Por lo tanto, se concluye que identificar el cuadro clínico puede ser una de las primeras iniciativas para la detección y la prevención. El tratamiento debe centrarse en el manejo, poder usar psicoterapia, antidepresivos, antipsicóticos y ansiolíticos. El equipo de enfermería y el equipo multidisciplinario deben estar atentos a los signos y síntomas para una intervención precisa y temprana, pues desempeñan un papel importante en la identificación adecuada del diagnóstico.

Biografía del autor/a

Janaína de Oliveira Barbosa Franco, Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi

Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi, Curitiba, Brasil. Acadêmica do curso de Enfermagem.

Rosa da Silva Batistão, Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi

Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi, Curitiba, Brasil. Acadêmica do curso de Enfermagem.

Denise Cristina dos Santos, Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi

Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi, Curitiba, Brasil. Acadêmica do curso de Enfermagem.

Wellington Fernando da Silva Ferreira, Universidade Federal do Paraná

Especialista em Saúde do Idoso e Gerontologia. Enfermeiro. Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.

Cláudia Ribeiro de Vasconcelos, Centro de Educação Profissional Anísio Pedrussi

Docente titular do Departamento de Enfermagem. Especialista em Ciência Política e Saúde Mental. Psicóloga e enfermeira. Centro de Educação Profissional Anísio Pedrussi e Centro Universitário Campos de Andrade, Curitiba, Brasil.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Janaína de Oliveira Barbosa Franco, Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi

Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi, Curitiba, Brasil. Acadêmica do curso de Enfermagem.

Rosa da Silva Batistão, Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi

Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi, Curitiba, Brasil. Acadêmica do curso de Enfermagem.

Denise Cristina dos Santos, Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi

Centro de Educação Profissional Anisio Pedrussi, Curitiba, Brasil. Acadêmica do curso de Enfermagem.

Wellington Fernando da Silva Ferreira, Universidade Federal do Paraná

Especialista em Saúde do Idoso e Gerontologia. Enfermeiro. Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.

Cláudia Ribeiro de Vasconcelos, Centro de Educação Profissional Anísio Pedrussi

Docente titular do Departamento de Enfermagem. Especialista em Ciência Política e Saúde Mental. Psicóloga e enfermeira. Centro de Educação Profissional Anísio Pedrussi e Centro Universitário Campos de Andrade, Curitiba, Brasil.

Referencias Bibliográficas

Gattaz WF, Dressing H, Hewer W, Nunes P. Síndrome de Münchhausen: diagnóstico e manejo clínico. Rev. Assoc. Méd. Bras. [internet]. 2003 [acesso em 1 jan. 2018];49(2):220-24. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-42302003000200045

Asher R. Münchhausen syndrome. Lancet. 1951;1(6650):339-41. doi: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(51)92313-6

Meadow R. Munchausen syndrome by proxy the hinterland of child abuse. The Lancet. 1977;310(8033):343-45. doi: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(77)91497-0

Meadow R. Munchausen syndrome by proxy. Archives of disease in childhood. 1982;57(2):92-8. doi: https://doi.org/10.1136/adc.57.2.92

Andrade TLES, Pereira-Silva JL. Hemoptise fictícia na síndrome de Munchhausen: uma entidade a ser considerada no diagnóstico diferencial. J. Bras. Pneumol. [internet]. 2005 [acesso em 1 jan. 2018];31(3):265-68. doi: https://doi.org/10.1590/S1806-37132005000300014

Ferrão ACF, Neves MDGC. Síndrome de Munchausen por procuração: quando a mãe adoece o filho. Comun. ciênc. Saúde [internet]. 2013 [acesso em 1 jan. 2018];24(2):179-86. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/ccs/sindrome_munchausen_procuracao.pdf

Filho DDS, Kanomata EY, Feldman RJ, Neto AM. Síndrome de Munchausen e síndrome de Munchausen por procuração: uma revisão narrativa [internet]. Einstein (São Paulo). 2017 [acesso em 1 dez. 2018];15(4):516-21. doi: https://doi.org/10.1590/s1679-45082017md3746

American Psychiatric Association (APA). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. DSM-IV-TR. 5. ed. Porto Alegre: Artmed; 2014.

Aranha GF, Carvalho LZM, Guarniero FB, Soares SMDSR. Transtorno factício: um desafio para as diversas especialidades. Rev. Med [internet]. 2007 [acesso em 1 dez. 2019];86(1):14-9. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v86i1p14-19

Gil AC. Como elaborar pesquisas. 4. ed. São Paulo: Atlas; 2013.

World Health Organization (WHO). Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: descrição clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artmed; 1993.

Telles LDB, Moreira CG, Almeida MD, Mecler KÁTIA, Valença AM, Baldez DP. Transtorno factício imposto a outro (Síndrome de Munchausen por Procuração) e maus-tratos infantis. Rev. Debat. Psique [internet]. 2015 [acesso em 1 jan. 2018];38-43. doi: https://doi.org/10.25118/2236-918X-5-6-6

World Health Organization (WHO). Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde: CID-10 Décima revisão. Trad. do Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português. 3. ed. São Paulo: EdUSP; 1996.

Silva NMR, Petrucci GW, Palitot EB, Azzouz MA, Azzouz SDF. Dermatite factícia desencadeada pela síndrome de Münchausen. An. Bras de Dermatol [internet]. 2010 [acesso em 1 jan. 2018];85(1):77-9. doi: https://doi.org/10.1590/S0365-05962010000100011

Ferreira WFS, Oliveira ECD, Vasconcelos CR, Dutra DA. Direitos humanos da pessoa idosa portadora de esquizofrenia: Uma contribuição da enfermagem. Rev. Saúde. Desenvol [internet]. 2017 [acesso em 1 dez. 2019];11(6):219-29. Disponível em: https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/604

Domínguez R. Síndrome de Münchhausen por poder. Arch. Pediat. Urug [internet]. 2011 [acesso em 1 jan. 2018];82(1):36-8. Disponível em: http://www.scielo.edu.uy/scielo.php?pid=s168812492011000100009&script=sci_arttext

Cujiño MF, Dávila A, Sarmiento MM, Villarreal MI, Chaskel R. Síndrome de Munchausen por procuração. Rev. Latino-Americ. Psiquia [internet]. 2012 [acesso em 1 jan. 2018];11(2):60-5. Disponível em: https://www.medigraphic.com/cgi-bin/new/resumen.cgi

Oliveira S, Ferreira WFS, Vasconcelos CR, Dutra DA. O enfrentamento da equipe de enfermagem em atendimentos a pacientes em crise psicótica. Rev. Aten. Saúde [internet]. 2017 [acesso em 1 jan. 2018];15(53):50-6. doi: https://doi.org/10.13037/ras.vol15n53.4598

Souza ADSD, Cortes HM, Pinho PH. Serviços de atendimento móvel de urgência frente às emergências psiquiátricas: Uma revisão narrativa. Rev. Portug. Enferm. Saúde. Mental [internet]. 2018 [acesso em 1 dez. 2018];(20):72-80. doi: http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0229

Gonçalves TG, Motta MEG, Kegler P, Macedo K, Medeiros M. Síndrome de Munchausen by proxy: definición, contextualización y factores psíquicos involucrados. Rev. Psicol (PUCP) [internet]. 2014 [acesso em 1 jan. 2018];32(1):139-56. Disponível em: http://www.scielo.org.pe/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S025492472014000100006

Paula SA, Ferreira WFS, Oliveira EC, Dutra DA. Síndrome de Burnout: uma análise acerca de sua compreensão para a enfermagem. Rev. Saúde. Desenvol [internet]. 2019 [acesso em 1 dez. 2019];12(13):122-46. Disponível em: https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/1002

Batista KO, Santos JF, Santos SD, Aoyama EA, Lima RN. Síndrome de burnout em enfermeiros: consequências na atividade profissional. ReBIS-Rev. Bras. Interdisc. Saúde [internet]. 2019 [acesso em 1 dez. 2019];1(4):61-5. Disponível em: http://revista.rebis.com.br/index.php/rebis/article/view/242/83

Ferreira WFS, Vasconcelos CR, Dutra DA. Burnout: fatores de riscos em uma unidade militar. Rev. Med. Saúde Brasília [internet]. 2017 [acesso em 1 jan. 2018];6(1):15-29. Disponível em: https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/1002

Silva EAO, Ferreira WFS, Vasconcelos CR, Dutra DA. Atitudes dos profissionais da enfermagem frente ao risco de suicídio na emergência hospitalar. Rev. Saúde. Desenvol [internet]. 2017 [acesso em 1 jan. 2018];11(7):215-28. Disponível em: https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/715

Lucena CG, Ferreira WFS, Vasconcelos CR, Dutra DA. Percepção dos acadêmicos de enfermagem sobre o transtorno afetivo bipolar. Rev. Ciência. Desenvol FAINOR [internet]. 2018 [acesso em 1 dez. 2018];11(2):400-19. doi: https://doi.org/10.11602/1984-4271.2018.11.2.11

Silva HM, Priszkulnik L. Síndrome de Munchausen por procuração, a Psicologia e a Psicanálise: conhecer para suspeitar. Rev. Psicol. Conocim. Sociedad [internet]. 2013 [acesso em 1 jan. 2018];3(2):155-70. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4758/475847410008.pdf

Gueller ASD. Falhas na operação transitivista materna na síndrome de Münchhausen por procuração. Rev. Latinoam. Psicopatol. Fundam [internet]. 2009 [acesso em 1 jan. 2019];12(2):276-84. doi: https://doi.org/10.1590/S1415-47142009000200003

Camargo PS. Não minta pra mim! Psicologia da mentira e linguagem corporal. São Paulo: Summus Editorial; 2012.

Sadock JB, Sadock AV, Ruiz P. Compêndio de Psiquiatria: Ciência do Comportamento e Psiquiatria Clínica. 11. ed. Porto Alegre: Artmed; 2017.

Fiusa JM, Fréz AR, Pereira WM. Analysis after stabilometric proprioceptive exercises: a randomized controlled clinical study. J. Human. Growth. Development [internet]. 2015 [acesso em 1 jan. 2019];25(1):63-7. doi: https://doi.org/10.7322/jhgd.96769

Cherobin F, Oliveira AR, Brisola AM. Acupuntura e auriculoterapia como métodos não farmacológicos de alívio da dor no processo de parturição. Rev. Cogitare. Enferm [internet]. 2016 [acesso em 1 dez. 2019];21(3):1-8. doi: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i3.45152

Macêdo OJV, Lima CMPD, Brito FHSD, Souza JNPD, Sousa NKMD, Sousa SPD, Dias SG. Atuação dos Profissionais de Psicologia nos CRAS do Interior da Paraíba. Rev. Trends. Psychology [internet]. 2018[acesso em 1 dez. 2019];26(2):1083-97. doi: https://doi.org/10.9788/tp2018.2-20pt

Borges CAS, Vasconcelos CR, Oselame GB, Dutra DA. O novo perfil profissional do enfermeiro frente ao centro de atenção psicossocial. Rev. Med. Saúde. Brasília [internet]. 2016 [acesso em 1 jan. 2019];5(2):217-33. Disponível em: https://bdtd.ucb.br/index.php/rmsbr/article/view/7162

Paula SS, Ferreira WFS, Oliveira EC. A importância da atuação do enfermeiro às vítimas de violência sexual. Rev. Juríd. Uniandrade [internet]. 2019 [acesso em 1 dez. 2019];30(1):59-72. Disponível em: https://mail.uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/juridica/article/view/1242

Lima SR, Proença TJ, Ferreira WFS, Tetzlaff AADS. Uma revisão sobre a enfermagem forense no pronto atendimento. Rev. Juríd Uniandrade [internet]. 2019 [acesso em 1 dez. 2019];30(1):49-58. Disponível em: https://mail.uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/juridica/article/view/1241

Toy EC, Klamen D. Casos Clínicos em Psiquiatria. 4. ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

Bruscato LW, Benedetti C. A prática da Psicologia Hospitalar na Santa Casa de São Paulo: Novas páginas em uma antiga história. São Paulo: Casa do psicólogo; 2004.

Gabbard GO. Tratamento dos transtornos psiquiátricos. 4. ed. São Paulo: Artmed; 2009.

Ministério Público do Paraná (MPPR). Criança e adolescentes — Maus-tratos e negligência [internet]. [acesso em 1 dez. 2019]. Disponível em: http://www.mppr.mp.br/pagina-5648.html

Barbosa MC, Vasconcelos CR, Oselame GB. A percepção do acadêmico de enfermagem sobre a loucura. Rev. Enferm. Aten. Saúde [internet]. 2016 [acesso em 1 jan. 2019];5(2):3-17. doi: https://doi.org/10.18554/reas.v5i2.1516

Tozzo P, Picozzi M, Caenazzo L. A proteção dos direitos do menor na Síndrome de Münchhausen pelo poder: uma reflexão ética: bioética clínica. Medicina e Ética: Int. J. Bioeth. Deontol. Med. Ethics [internet]. 2016 [acesso em 1 jan. 2019];27(3):323-36. doi: https://doi.org/10.7417/CT.2018.2067

Catani J, Souza MAD. Sofrimento psíquico e corpo: perspectivas de trabalho multidisciplinar no tratamento de pacientes com Transtornos Somatoformes. Rev. SBPH [internet]. 2015 [acesso em 1 dez. 2019];18(2):5-21. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rsbph/v18n2/v18n2a02.pdf

Garcia NP, Ramos GT, Silva DA, Oliveira MC, Buriola AA. Síndrome de munchausen: um caso de confissão espontânea da simulação de sinais e sintomas. Rev. In. Colloqu. Vitae [internet]. 2019 [acesso em 1 dez. 2019];11(2):52-8. doi: http://dx.doi.org/10.5747/cv.2019.v11.n2.v264

Lima KRF, Marques JMS, Passos XS, Silva LLL, Nunes PDSJ. Síndrome de Münchausen por Procuração. Rev. Enferm. Atual. InDerme [internet]. 2019 [acesso em 1 dez. 2019];88(26):1-8. Disponível em: http://www.revistaenfermagematual.com.br/index.php/revista/article/view/145/436

Pollis AA, Oliveira II, Vasconcelos CR, Ferreira WFS. Transtorno de personalidade borderline e assistência de enfermagem na emergência psiquiátrica. Rev. Disciplin. Scientia. Saúde [internet]. 2019 [acesso em 1 dez. 2019];20(1):15-36. Disponível em: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/disciplinarumS/article/view/2539

Ferreira WFS, Silva CMJ, Oliveira EM. A judicialização da saúde e suas dimensões na gerontologia: uma contribuição da enfermagem. Rev. Saúde. Desenvol [internet]. 2017 [acesso em 1 jan. 2018];11(9):249-66. Disponível em: https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/viewFile/792/487

Caveião C, Hey AP, Montezeli JH, Sales WB, Visentin A, Kaled M. Portador de transtorno mental em situação de emergência: dificuldades de atendimento percebidas pela equipe de enfermagem em uma unidade mista. Cad. Escola. Saúde [internet]. 2015 [acesso em 1 jan. 2018];2(14):21-31. Disponível em: https://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/cadernossaude/article/view/2439

Brasil. Lei Federal 8.069, de 13 de julho de 1990 [internet]. ECA — Estatuto da Criança e do Adolescente. 2015 [acesso em 1 jan. 2018]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Cómo citar
Franco, J. O. B., Batistão, R. S., Santos, D. C., Ferreira, W. F. S., & Vasconcelos, C. R. (2020). Bioética y sociedad: Trastorno facticio impuesto a uno mismo e impuesto a otro. Revista Latinoamericana De Bioética, 20(1), 49-66. https://doi.org/10.18359/rlbi.3565
Publicado
2020-09-15
Sección
Artículos