Terapia Génica y Doping Genético: Diálogos Bioéticos y Biojurídicos

Resumen

La aplicación de la ingeniería genética en el deporte despierta el debate con la creación de los atletas genéticamente modificados, a partir del dopaje genético. En este sentido, se busca en estos estudios abordar el mejoramiento genético en el deporte, presentando sus principales cuestionamientos bioéticos y biojurídicos. Para tanto, se investigó autores en Bioderecho, Bioética, Filosofía y Genética, dado el carácter interdisciplinar que el tema exige. Así, se presentó la distinción entre tratamiento y mejoramiento, con la terapia génica y el dopaje genético, y, enseguida, se centró en las cuestiones bioéticas y jurídicas que el objeto de la investigación involucra, de forma que, para al final, el lector pueda reflexionar sobre cuáles serán los impactos de la genética aplicada al rendimiento deportivo y en la sociedad. Los resultados de esta investigación permiten concluir que la evolución es inherente al hombre, pero, cuando se trata de la alteración genómica, se hace imperiosa la reflexión de los impactos del perfeccionamiento genético de forma a garantizar iguales libertades fundamentales en el contexto del Estado Democrático de Derecho. Con este abordaje, se demuestra que la bioética es el eje del diálogo y debate multidisciplinar que el tema involucra para la construcción de los nuevos caminos de la ingeniería genética humana.

Biografía del autor/a

Tiago Vieira Bomtempo, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre em Direito Privado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Brasil. Especialista em Direito Público pelo Instituto de Educação Continuada da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Brasil. Investigador do Instituto de Investigação Científica Constituição e Processo, cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico brasileiro. Advogado e membro da Comissão de Bioética e Biodireito da Ordem dos Advogados do Brasil, seção do Estado de Minas Gerais. Técnico em Biotecnologia e Professor universitário.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Tiago Vieira Bomtempo, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre em Direito Privado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Brasil. Especialista em Direito Público pelo Instituto de Educação Continuada da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Brasil. Investigador do Instituto de Investigação Científica Constituição e Processo, cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico brasileiro. Advogado e membro da Comissão de Bioética e Biodireito da Ordem dos Advogados do Brasil, seção do Estado de Minas Gerais. Técnico em Biotecnologia e Professor universitário.

Citas

ARTIOLI, Guilherme Giannini; HIRATA, Rosário Dominguez Crespo; LANCHA JUNIOR, Antonio Herbert. Terapia gênica, doping genético e esporte: fundamentação e implicações para o futuro. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v.13, n.5, Out. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922007000500013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 02 mai. 2018.

BOMTEMPO, Tiago Vieira. Melhoramento humano no esporte: o Doping Genético e suas implicações bioéticas e biojurídicas. Curitiba: Juruá, 2015.

BOSTROM, Nick. Em defesa da dignidade pós-humana. Revista Bioethics, v. 19, n. 3. 2005a. Disponível em: <http://www.nickbostrom.com/translations/Dignidade.pdf>. Acesso em: 03 mai. 2018.

BOSTROM, Nick. Valores Transhumanistas. Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade. 2005b. Disponível em: <http://www.ierfh.org/br.txt/ValoresTranshumanistas2005.pdf>. Acesso em: 03 mai. 2018.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade n. 3510/DF. Tribunal Pleno. Relator Ministro Ayres Britto. Data do julgamento: 29/05/2008. Data da publicação: 28/05/2010. Disponível em: <http://redir.stf.jus.br/paginador/paginador.jsp?docTP=AC&docID=611723>. Acesso: em: 15 mai. 2018.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Arguição por Descumprimento de Preceito Fundamental n.54/DF. Tribunal Pleno. Relator Ministro Marco Aurélio. Data do julgamento: 12/04/2012. Data da publicação: 30/04/2013. Disponível em: <http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=3707334>. Acesso: em: 15 ma8. 2017.

BRASIL, Juliano. Bioenhancement. In: SALLES, Alvaro Angelo (Org.). Bioética: velhas barreiras, novas fronteiras. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2011. p.99-103.

COELHO, Mário Marcelo. Doping genético, o atleta superior e bioética. Revista Bioethikos. São Paulo, v.6, n.2, abr/jun 2012. Disponível em: <http://www.saocamilo-sp.br/pdf/bioethikos/94/a6.pdf>. Acesso em: 13 mai. 2018.

CORREA, Marilena C. D. V.; GUILAM, Maria Cristina R. O discurso do risco e o aconselhamento genético pré-natal. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 10, Out. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2006001000020&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 06 mai. 2018.

COSTELL, Elvira Durán. A reflexão ética diante do avanço da biotecnologia. In: ROMEO CASABONA, Carlos María (org.). Biotecnologia, direito e bioética. Belo Horizonte: Del Rey e Puc Minas, 2002. p. 285-289.

DINIZ, Maria Helena Diniz. O estado atual do Biodireito. 3ª Edição, São Paulo: Ed. Saraiva, 2006.

DRUMOND. José Geraldo de Freitas. Tecnologia e esporte: perspectivas bioéticas. Revista Bioethikos. São Paulo, v.5, n.4, out/dez 2011. Disponível em: <http://www.saocamilo-sp.br/pdf/bioethikos/89/A7.pdf >. Acesso em: 30 mai. 2018.

EXTROPY INSTITUTE. Disponível em: < http://www.extropy.org/About.htm>. Acesso em: 05 mai. 2018.

FORTES, Paulo Antônio de Carvalho. Ética e saúde: questões éticas, deontológicas e legais, tomada de decisões, autonomia e direitos do paciente, estudo de casos. São Paulo, Ed. EPU, 1998.

GOMES, Celeste leite dos Santos Pereira; SORDI, Sandra. Aspectos atuais do projeto genoma humano. In: SANTOS, Maria Celeste Cordeiro Leite. Biodireito: ciência da vida, os novos desafios. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2001. p.169-195.

HABERMAS, Jürgen. O futuro da natureza humana: a caminho de uma eugenia liberal? São Paulo: Martins Fontes, 2004.

HRYNIEWICZ, Severo; SAUWEN, Regina Fiuza. O Direito “in vitro”: da Bioética ao Biodireito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

JONAS, Hans. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-Rio, 2006.

MALAJOVICH, Maria Antonia. Biotecnologia. Rio de Janeiro: Axcel Books, 2004.

MATTE, Ursula da Silveira. Genômica- aspectos éticos, legais e sociais. In: MIR, Luís. (Org.) CONSELHO DE INFORMAÇÕES SOBRE BIOTECNOLOGIA. Genômica. São Paulo: Atheneu, 2004. p.1067-1090.

MELLO, Leana; BOMTEMPO, Tiago Vieira. Melhoramento humano: de ser para coisa? Uma abordagem a partir da (des)construção da personalidade. In: FABRIZ, Daury César; FARO, Julio Pinheiro; ULHOA, Paulo Roberto; PETER FILHO, Jovacy; GOMES, Marcelo Sant'Anna Vieira; SILVA, Heleno Florindo da (Orgs.). Direito das futuras gerações. Vitória: Cognorama, 2013. p.135-151.

NAVES, Bruno Torquato de Oliveira. Direitos de personalidade e dados genéticos: revisão crítico-discursiva dos direitos de personalidade à luz da 'natureza jurídica' dos dados genéticos humanos. Belo Horizonte: Escola Superior Dom Helder Câmara, 2010.

NAVES, Bruno Torquato de Oliveira; SÁ, Maria de Fátima Freire de. Aplicação dos princípios no biodireito. Belo Horizonte.Virtuajus: Revista Eletrônica da Faculdade Mineira de Direito da PUC Minas, v.1, n.1, out. 2002. Disponível em: . Acesso: em 08 mai. 2018.

NYS, Herman. Terapia Gênica Humana. In. ROMEO CASABONA, Carlos María (org.). Biotecnologia, direito e bioética. Belo Horizonte: Del Rey e Puc Minas, 2002, p. 66-80.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. ¿Cómo define la OMS la salud?. Disponível em: <http://who.int/suggestions/faq/es/index.html>. Acesso em: 12 mai. 2018.

PEREZ TRIVINO, José Luis. Deportistas tecnológicamente modificados y los desafíos al deporte. Revista Bioética y Derecho, Barcelona, n. 24, jan. 2012. Disponível em: <http://www.ub.edu/fildt/revista/RByD24_art-pereztrivino.htm>. Acesso em: 06 mai. 2018.

PESSINI, Leocir. Bioética e o desafio do transumanismo: ideologia ou utopia, ameaça ou esperança?. Revista Bioética, Brasília, v.14, n.2, jul. 2006. Disponível em: <http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/14>. Acesso em: 03 mai. 2018.

PESSINI, Leocir; BARCHIFONTAINE, Christian de Paul de. Problemas atuais de bioetica. 10.ed. rev. e ampl. São Paulo: Loyola, 2012.

PIERCE, Benjamin A. Genética: um enfoque conceitual. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

REZENDE, Danúbia Ferreira Coelho de. Limites jurídicos da terapia gênica embrionária: por uma reconstrução crítico-discursiva dos direitos da personalidade. 2009 155 f. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Direito. Belo Horizonte.

RODOTÀ, Stefano. La vida y las reglas: entre el derecho y el no derecho. Madrid: Trotta, 2010.

RODRIGUES, Léo. O atleta transgênico: possibilidade real de uso do doping genético divide pesquisadores: endurecer ou flexibilizar as regras? In: Diversa: Revista da Universidade Federal de Minas Gerais. Ano 10, nº 19, mai. 2012. Disponível em: <https://www.ufmg.br/diversa/19/esportes.html>. Acesso em: 02 mai. 2018.

SÁ, Maria de Fátima Freire de; NAVES, Bruno Torquato de Oliveira. Bioética, Biodireito e o novo Código Civil de 2002. Belo Horizonte: Del Rey, 2004.

SÁ, Maria de Fátima Freire de; NAVES, Bruno Torquato de Oliveira. Manual de biodireito. 2. ed. rev., atual. e ampl. Belo Horizonte: Del Rey, 2011.

SEMIÃO, Sérgio Abdalla. Biodireito & direito concursal: aspectos científicos do direito em geral e da natureza jurídica do embrião congelado. Belo Horizonte: Del Rey, 2012.

STANCIOLI, Brunello; CARVALHO, Nara Pereira. Da integridade física ao livre uso do corpo: releitura de um direito da personalidade. In: TEIXEIRA, Ana Carolina Brochado; RIBEIRO, Gustavo Pereira Leite. Manual de teoria geral do direito civil. Belo Horizonte: Del Rey 2011.p.267-285.

TAVARES, Fernando Horta et. al. Bioética e Biodireito. Belo Horizonte.Virtuajus: Revista Eletrônica da Faculdade Mineira de Direito da PUC Minas, v.8, n.2, dez. 2009. Disponível em: <http://www.fmd.pucminas.br/Virtuajus/2_2009/Docentes/Bioetica%20e%20Biodireito.pdf>. Acesso: em 08 mai. 2018.

VASCONCELOS, Carla. Os impactos da biotecnologia no esporte. In: JORDÃO, Milton. (Coord.) INSTITUTO DE DIREITO DESPORTIVO DA BAHIA. INSTITUTO MINEIRO DE DIREITO DESPORTIVO. Direito desportivo & esporte: volume 3: temas selecionados. Salvador: Òmnira, 2012. p.29-43.

WESTMAN, Judith A. Genética médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

WIKIPEDIA. Gattaca. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Gattaca>. Acesso em: 10 mai. 2018.

Cómo citar
Bomtempo, T. V. (2018). Terapia Génica y Doping Genético: Diálogos Bioéticos y Biojurídicos. Revista Latinoamericana De Bioética, 19(36-1), 75-90. https://doi.org/10.18359/rlbi.3583
Publicado
2018-12-19