TERAPIA GÊNICA E DOPING GENÉTICO: diálogos bioéticos e biojurídicos

Resumen

A aplicação da engenharia genética no esporte desperta o debate com a criação dos atletas geneticamente modificados, a partir do doping genético. O presente artigo busca trazer a abordagem do melhoramento genético no esporte, apresentando seus principais questionamentos bioéticos e biojurídicos. Para tanto, pesquisou-se autores em Biodireito, Bioética, Filosofia e em Genética, dado o caráter interdisciplinar que o tema exige. Assim, abordou-se a distinção entre tratamento e melhoramento, com a terapia gênica e o doping genético, e, em seguida, adentrou-se nas questões bioéticas e jurídicas que o objeto da pesquisa envolve, de forma que, para ao final, o leitor possa refletir quais serão os impactos da genética aplicada ao rendimento esportivo e na sociedade.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

ARTIOLI, Guilherme Giannini; HIRATA, Rosário Dominguez Crespo; LANCHA JUNIOR, Antonio Herbert. Terapia gênica, doping genético e esporte: fundamentação e implicações para o futuro. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v.13, n.5, Out. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922007000500013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 02 mai. 2018.

BOMTEMPO, Tiago Vieira. Melhoramento humano no esporte: o Doping Genético e suas implicações bioéticas e biojurídicas. Curitiba: Juruá, 2015.

BOSTROM, Nick. Em defesa da dignidade pós-humana. Revista Bioethics, v. 19, n. 3. 2005a. Disponível em: <http://www.nickbostrom.com/translations/Dignidade.pdf>. Acesso em: 03 mai. 2018.

BOSTROM, Nick. Valores Transhumanistas. Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade. 2005b. Disponível em: <http://www.ierfh.org/br.txt/ValoresTranshumanistas2005.pdf>. Acesso em: 03 mai. 2018.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade n. 3510/DF. Tribunal Pleno. Relator Ministro Ayres Britto. Data do julgamento: 29/05/2008. Data da publicação: 28/05/2010. Disponível em: <http://redir.stf.jus.br/paginador/paginador.jsp?docTP=AC&docID=611723>. Acesso: em: 15 mai. 2018.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Arguição por Descumprimento de Preceito Fundamental n.54/DF. Tribunal Pleno. Relator Ministro Marco Aurélio. Data do julgamento: 12/04/2012. Data da publicação: 30/04/2013. Disponível em: <http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=3707334>. Acesso: em: 15 ma8. 2017.

BRASIL, Juliano. Bioenhancement. In: SALLES, Alvaro Angelo (Org.). Bioética: velhas barreiras, novas fronteiras. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2011. p.99-103.

COELHO, Mário Marcelo. Doping genético, o atleta superior e bioética. Revista Bioethikos. São Paulo, v.6, n.2, abr/jun 2012. Disponível em: <http://www.saocamilo-sp.br/pdf/bioethikos/94/a6.pdf>. Acesso em: 13 mai. 2018.

CORREA, Marilena C. D. V.; GUILAM, Maria Cristina R. O discurso do risco e o aconselhamento genético pré-natal. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 10, Out. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2006001000020&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 06 mai. 2018.

COSTELL, Elvira Durán. A reflexão ética diante do avanço da biotecnologia. In: ROMEO CASABONA, Carlos María (org.). Biotecnologia, direito e bioética. Belo Horizonte: Del Rey e Puc Minas, 2002. p. 285-289.

DINIZ, Maria Helena Diniz. O estado atual do Biodireito. 3ª Edição, São Paulo: Ed. Saraiva, 2006.

DRUMOND. José Geraldo de Freitas. Tecnologia e esporte: perspectivas bioéticas. Revista Bioethikos. São Paulo, v.5, n.4, out/dez 2011. Disponível em: <http://www.saocamilo-sp.br/pdf/bioethikos/89/A7.pdf >. Acesso em: 30 mai. 2018.

EXTROPY INSTITUTE. Disponível em: < http://www.extropy.org/About.htm>. Acesso em: 05 mai. 2018.

FORTES, Paulo Antônio de Carvalho. Ética e saúde: questões éticas, deontológicas e legais, tomada de decisões, autonomia e direitos do paciente, estudo de casos. São Paulo, Ed. EPU, 1998.

GOMES, Celeste leite dos Santos Pereira; SORDI, Sandra. Aspectos atuais do projeto genoma humano. In: SANTOS, Maria Celeste Cordeiro Leite. Biodireito: ciência da vida, os novos desafios. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2001. p.169-195.

HABERMAS, Jürgen. O futuro da natureza humana: a caminho de uma eugenia liberal? São Paulo: Martins Fontes, 2004.

HRYNIEWICZ, Severo; SAUWEN, Regina Fiuza. O Direito “in vitro”: da Bioética ao Biodireito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

JONAS, Hans. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-Rio, 2006.

MALAJOVICH, Maria Antonia. Biotecnologia. Rio de Janeiro: Axcel Books, 2004.

MATTE, Ursula da Silveira. Genômica- aspectos éticos, legais e sociais. In: MIR, Luís. (Org.) CONSELHO DE INFORMAÇÕES SOBRE BIOTECNOLOGIA. Genômica. São Paulo: Atheneu, 2004. p.1067-1090.

MELLO, Leana; BOMTEMPO, Tiago Vieira. Melhoramento humano: de ser para coisa? Uma abordagem a partir da (des)construção da personalidade. In: FABRIZ, Daury César; FARO, Julio Pinheiro; ULHOA, Paulo Roberto; PETER FILHO, Jovacy; GOMES, Marcelo Sant'Anna Vieira; SILVA, Heleno Florindo da (Orgs.). Direito das futuras gerações. Vitória: Cognorama, 2013. p.135-151.

NAVES, Bruno Torquato de Oliveira. Direitos de personalidade e dados genéticos: revisão crítico-discursiva dos direitos de personalidade à luz da 'natureza jurídica' dos dados genéticos humanos. Belo Horizonte: Escola Superior Dom Helder Câmara, 2010.

NAVES, Bruno Torquato de Oliveira; SÁ, Maria de Fátima Freire de. Aplicação dos princípios no biodireito. Belo Horizonte.Virtuajus: Revista Eletrônica da Faculdade Mineira de Direito da PUC Minas, v.1, n.1, out. 2002. Disponível em: . Acesso: em 08 mai. 2018.

NYS, Herman. Terapia Gênica Humana. In. ROMEO CASABONA, Carlos María (org.). Biotecnologia, direito e bioética. Belo Horizonte: Del Rey e Puc Minas, 2002, p. 66-80.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. ¿Cómo define la OMS la salud?. Disponível em: <http://who.int/suggestions/faq/es/index.html>. Acesso em: 12 mai. 2018.

PEREZ TRIVINO, José Luis. Deportistas tecnológicamente modificados y los desafíos al deporte. Revista Bioética y Derecho, Barcelona, n. 24, jan. 2012. Disponível em: <http://www.ub.edu/fildt/revista/RByD24_art-pereztrivino.htm>. Acesso em: 06 mai. 2018.

PESSINI, Leocir. Bioética e o desafio do transumanismo: ideologia ou utopia, ameaça ou esperança?. Revista Bioética, Brasília, v.14, n.2, jul. 2006. Disponível em: <http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/14>. Acesso em: 03 mai. 2018.

PESSINI, Leocir; BARCHIFONTAINE, Christian de Paul de. Problemas atuais de bioetica. 10.ed. rev. e ampl. São Paulo: Loyola, 2012.

PIERCE, Benjamin A. Genética: um enfoque conceitual. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

REZENDE, Danúbia Ferreira Coelho de. Limites jurídicos da terapia gênica embrionária: por uma reconstrução crítico-discursiva dos direitos da personalidade. 2009 155 f. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Direito. Belo Horizonte.

RODOTÀ, Stefano. La vida y las reglas: entre el derecho y el no derecho. Madrid: Trotta, 2010.

RODRIGUES, Léo. O atleta transgênico: possibilidade real de uso do doping genético divide pesquisadores: endurecer ou flexibilizar as regras? In: Diversa: Revista da Universidade Federal de Minas Gerais. Ano 10, nº 19, mai. 2012. Disponível em: <https://www.ufmg.br/diversa/19/esportes.html>. Acesso em: 02 mai. 2018.

SÁ, Maria de Fátima Freire de; NAVES, Bruno Torquato de Oliveira. Bioética, Biodireito e o novo Código Civil de 2002. Belo Horizonte: Del Rey, 2004.

SÁ, Maria de Fátima Freire de; NAVES, Bruno Torquato de Oliveira. Manual de biodireito. 2. ed. rev., atual. e ampl. Belo Horizonte: Del Rey, 2011.

SEMIÃO, Sérgio Abdalla. Biodireito & direito concursal: aspectos científicos do direito em geral e da natureza jurídica do embrião congelado. Belo Horizonte: Del Rey, 2012.

STANCIOLI, Brunello; CARVALHO, Nara Pereira. Da integridade física ao livre uso do corpo: releitura de um direito da personalidade. In: TEIXEIRA, Ana Carolina Brochado; RIBEIRO, Gustavo Pereira Leite. Manual de teoria geral do direito civil. Belo Horizonte: Del Rey 2011.p.267-285.

TAVARES, Fernando Horta et. al. Bioética e Biodireito. Belo Horizonte.Virtuajus: Revista Eletrônica da Faculdade Mineira de Direito da PUC Minas, v.8, n.2, dez. 2009. Disponível em: <http://www.fmd.pucminas.br/Virtuajus/2_2009/Docentes/Bioetica%20e%20Biodireito.pdf>. Acesso: em 08 mai. 2018.

VASCONCELOS, Carla. Os impactos da biotecnologia no esporte. In: JORDÃO, Milton. (Coord.) INSTITUTO DE DIREITO DESPORTIVO DA BAHIA. INSTITUTO MINEIRO DE DIREITO DESPORTIVO. Direito desportivo & esporte: volume 3: temas selecionados. Salvador: Òmnira, 2012. p.29-43.

WESTMAN, Judith A. Genética médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

WIKIPEDIA. Gattaca. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Gattaca>. Acesso em: 10 mai. 2018.

Cómo citar
Bomtempo, T. V. (2019). TERAPIA GÊNICA E DOPING GENÉTICO: diálogos bioéticos e biojurídicos. Revista Latinoamericana De Bioética, 19(36-1). https://doi.org/10.18359/rlbi.3583
Publicado
2019-05-21