Sujetos del trabajo precario: el caso de los protagonistas del mercado de la construcción en Brasil

  • Luís Abel Da Silva Filho Universidad Regional de Cariri
  • Silvana Nunes De Queiroz Universidad Regional de Cariri
Palabras clave: Brasil, Mercado de trabajo, Construcción civil, Rotatividad.

Resumen

Este artículo tiene como objetivo central analizar la rotatividad en la industria de la construcción civil brasileña, sector con el mayor rendimiento en la contratación de trabajadores, en el segundo quinquenio de la primera década de este siglo. Metodológicamente recurre a la revisión de la literatura, complementado con el análisis comparativo de la evolución del perfil de los trabajadores del sector. Entonces, desde el movimiento de admisión y despido de trabajadores, se crea el índice de rotatividad, tratando de retratar aquellos que son los más vulnerables a este proceso. La fuente de datos proviene del Informe Anual de Informaciones Sociales (RAIS) y el Registro General de Empleados y Desempleados (CAGED) del Ministerio de Trabajo y Empleo (MTE). Los años seleccionados incluyen los bienios 2006-2007 y 2009-2010. Los principales resultados muestran un importante crecimiento en la contratación de trabajadores con la participación masiva de mano de obra masculina, se concentró en los grupos de mayor edad, con bajo nivel de educación e ingresos en los rangos salariales de los primeros. Además, la rotatividad resultó ser mayor en los hombres, los jóvenes con baja escolaridad y los ingresos medios en las escala de los primeros.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Antunes, R. (2005) Adeus ao trabalho? Ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 10ª ed. São Paulo: Cortez, Campinas, SP. Editora da Universidade Estadual de Campinas.

Baltar, P. E. & Proni, M. W. (1995) Flexibilidade do trabalho, emprego e estrutura salarial no Brasil. Campinas, SP: Unicamp. (Cadernos do CESIT e Texto para Discussão, 15).

Beck, U. (1999) O que é globalização? Equívocos do globalismo respostas à globalização. São Paulo: Paz e Terra.

Bruschini, C. & Puppin, A. B. (2004) Trabalho de mulheres executivas no Brasil no final do século XX. Cadernos de Pesquisa, v.34, n.121, p.105-138.

Bruschini, C. (2007) Trabalho e gênero no Brasil nos último dez anos. Cadernos de Pesquisa, v. 37, nº 132, p. 537-572.

Cacciamali, M. C. (1992) Mudanças estruturais e na regulação do mercado de trabalho no Brasil nos anos 80. IPE/USP (Texto para Discussão Interna, 6).

Carvalho, P. G. M. & Feijó, C. A. V. C. (1993) Rotatividade do pessoal ocupado na indústria: sua evolução nos anos recentes — 1985-1993. Anais da Associação Brasileira de Estudos do Trabalho.

Cintra, M. A. M. (2005) Suave Fracasso – a política macroeconômica brasileira entre 1999 e 2005. Revista Novos Estudos.

Corseuil, C. H. et al. (2002a) Criação, destruição e realocação do emprego no Brasil. Texto para discussão Nº 855, Rio de Janeiro, IPEA.

Corseuil, C. H. et al. (2002b) Job and worker flows in Brazil. In: Menezes-Filho, N. A. (coord.). Labor market dynamics in Brazil. Final Report, 2nd draft, Part I, Inter-American Development Bank Research Network, 11th round, Fipe-USP.

Dedecca, C. S. (2005) Racionalização Econômica e Trabalho no Capitalismo Avançado. 2ª Ed – Campinas, SP: Unicamp, IE.

Dedecca, C. S. & Rosandiski, E. N. (2006) Recuperação econômica e geração de empregos formais. Revista Parcerias Estratégicas – n. 22.

Freitas, P. T. & Baeninger, R. (2010) Cidade e Imigração Origens e Territórios da Imigração Boliviana e Coreana para a Cidade de São Paulo. In: Rosana Aparecida Baeninger. (Org.). População e Cidades: subsídios para o Planejamento e para as Políticas Sociais. 1ed.Campinas, SP. v. 1, p. 137-169.

Funkhouser, E. (1996) The urban informal-sector in Central America: Household survey evidence. World Development, v. 24, n. 11, p. 1.737-1.751.

Harvey, D. (2004) Condição pós-moderna. 13ª ed. São Paulo: Edições Loyola.

Heloani, J. R. (2002) Organização do Trabalho e Administração: Uma visão multidisciplinar, 4ª ed. São Paulo: Cortez.

Kon, A. (1997) Transformações na indústria de serviços: implicações sobre o trabalho. V Encontro Nacional de estudos do Trabalho. Rio de Janeiro.

Kon, A. (1999) Sobre as atividades de serviços: revendo conceitos e tipologias. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 19.

Leone, E. T. & Baltar, P. (2010) População Ativa, Mercado de trabalho e gênero na retomada do crescimento econômico. XVII Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos Populacionais – ABEP, Anais... Caxambú – MG.

Marcoullier, D.; Ruiz de Castilla, V. & Woodruff, C. (1997) Formal measures of the informal-sector wage gap in Mexico, El Salvador and Peru. Economic development and cultural change, v. 45, nº 2, p. 367-392.

Moreira, E. & Targino, I. (2005) Migração e trabalho na construção civil. IV Encontro Nacional sobre Migrações, Rio de Janeiro.

Neves, M. de A. & Pedrosa, C. M. (2007) Gênero, flexibilidade e precarização: o trabalho a domicilio na indústria de confecções. Sociedade e Estado, Brasília, v. 22, Nº 1, p. 11-34.

Orellano, V. I. F. & Pazello, E. T. (2006) Evolução e determinantes da rotatividade da mão de obra nas firmas da indústria paulista na década de 1990. Revista Pesquisa e Planejamento Econômico, v.36, n.1.

Ozorio de Almeida A. L.; Alves, L. F. & Graham, S. M. (1995) Poverty deregulation and employment in the informal sector of Mexico. World bank, education and social police department.

Pazello, E.; Bivar, W. & Gonzaga, G. (2000) Criação e destruição de postos de trabalho por tamanho de empresa na indústria brasileira. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 30, n. 2.

Pochmann, M. (2001) O Emprego na Globalização: a nova divisão internacional do trabalho e os caminhos que o Brasil escolheu. São Paulo, Boitempo Editorial.

Pochmann, M. (1999) O trabalho sob fogo cruzado: exclusão, desemprego e precarização no final do século – São Paulo: contexto.

Queiroz, S. N. et al. (2010) Investimento externo e ingresso de estrangeiros no Brasil: Perfil do imigrante autorizado para trabalho e investidor individual. XVII Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 2010, Caxambu-MG.

Ramos, L. (2002) A evolução da informalidade no Brasil metropolitano: 1991-2001. IPEA, Texto para Discussão nº 914.

Remy, M. A. P. de A.; Queiroz, S. N. & Silva Filho, L. A. (2010) Evolução Recente do Emprego Formal no Brasil – 200-2008. XVII Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos Populacionais – ABEP, Anais... Caxambú – MG.

Santos, L. M. & Targino, I. (2006) Condições do Mercado de Trabalho no setor de serviços no Nordeste. In Anais do XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais – ABEP. Caxambu – MG.

Silva, L. A. (2011) Mercado de Trabalho e Estrutura Sócio-ocupacional: estudo comparativo entre as regiões metropolitanas de Fortaleza, Recife e Salvador – 2001-2008. Dissertação de Mestrado em Economia. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 131 p.

Silva, L. A. & Amon-há, R. (2011) Perfil do desemprego recente na região metropolitana de Salvador – 2001-2008. Revista Desenbahia, n. 15.

Cómo citar
Da Silva Filho, L. A., & Nunes De Queiroz, S. (2012). Sujetos del trabajo precario: el caso de los protagonistas del mercado de la construcción en Brasil. Revista Facultad De Ciencias Económicas, 21(1), 91-107. https://doi.org/10.18359/rfce.676
Publicado
2012-12-31
Sección
Artículos