Relaciones entre gobernanza corporativa, desempeño financiero y valor de mercado

un análisis en el contexto brasileño

Palabras clave: gobierno corporativo, desempeño financiero, valor de mercado, PLS-SEM

Resumen

Se buscó investigar el impacto del gobierno corporativo en el desempeño financiero y en el valor de mercado de las empresas relacionadas en la B3 s. a. Para ello, desde una muestra de 759 observaciones realizadas del 2003 al 2016, se utilizó la técnica PLS-SEM, en escalas formativas. Como resultados, se logró soportar las hipótesis de relación directa y positiva entre gobierno corporativo y desempeño financiero, gobernanza y valor de mercado, y desempeño financiero y valor de mercado en los análisis de todas las observaciones. Con una muestra de empresas de menor tamaño, se observó la existencia de mediación parcial del desempeño financiero en la relación entre gobierno corporativo y valor de mercado, lo que revela que “parte” de este desempeño financiero debe aplicarse en la adopción o en el perfeccionamiento de las prácticas de gobierno corporativo, una vez que estas tienen fijados sus precios (precificadas) por el mercado accionario. Por fin, en la existencia de mejores prácticas de gobierno corporativo se espera una intensificación de la relación (efecto moderador) entre desempeño financiero y valor de mercado. El estudio aporta a la literatura al reforzar la relevancia de las prácticas de gobierno corporativo que deben adoptarse las empresas con el fin de mejorar su desempeño financiero, incrementando su valor de mercado y respondiendo a los objetivos de los stakeholders.

Biografía del autor/a

Nádia Kelly Duarte Carreiro, Universidade Federal do Piauí

Bacharel em Administração de Empresas, Universidade Federal do Piauí, Floriano, Piauí, Brasil. Curso de bacharelado em Administração de Empresas. Campus Amilcar Ferreira Sobral da Universidade Federal do Piauí, Meladão, BR-343, KM 3,5. Meladão, Floriano, Piauí, cep 64808-605.

João Carlos Hipólito Bernardes do Nascimento, Universidade Federal do Piauí

Doutor em Ciências Contábeis, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em Ciências Contábeis, Fucape Business School. Bacharel em Ciências Contábeis, Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina, Universidade Federal do Piauí. Mestrado profissional em Gestão Pública. Mestrado profissional em Administração Pública, campus universitário Ministro Petrônio Portella, Ininga, Teresina, Piauí, Brasil.

Correio eletrônico: joaohipolito@ufpi.edu.br

ORCID: http://orcid.org/0000-0003-3505-372X

Flávia Lorenne Sampaio Barbosa, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Administração, Universidade de Fortaleza, Ceará. Mestra em Administração, Universidade de Fortaleza, Ceará. Graduada em Administração, Universidade Fernando Pessoa. Mestrado profissional em Gestão Pública. Mestrado profissional em Administração Pública, campus universitário Ministro Petrônio Portella, Ininga, Teresina, Piauí, Brasil.

Correio eletrônico: 

 

Alexandre Rabêlo Neto, Universidade Federal do Piauí

Doutor em Administração de Empresas, Universidade de Fortaleza. Mestre em Administração de Empresas, Universidade de Fortaleza. Bacharel em Administração de Empresas, Universidade Estadual do Piauí. Universidade Federal do Piauí. Mestrado profissional em Gestão Pública. Mestrado profissional em Administração Pública, campus universitário Ministro Petrônio Portella, Ininga, Teresina, Piauí, Brasil.

Maurício Corrêa da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutor em Ciências Contábeis, Multi-institucional das UNB-UFPB-UFRN. Mestre em Ciências Contábeis, Multi-institucional das UBN-UFPB-UFPE-UFRN. Bacharel em Ciências Contábeis, Sociedade Civil Colégio Moderno, Faculdades Integradas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. 

Correio eletrônico: prof.mauriciocsilva@gmail.com

ORCID: http://orcid.org/0000-0003-2036-5237

 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Nádia Kelly Duarte Carreiro, Universidade Federal do Piauí

Bacharel em Administração de Empresas, Universidade Federal do Piauí, Floriano, Piauí, Brasil. Curso de bacharelado em Administração de Empresas. Campus Amilcar Ferreira Sobral da Universidade Federal do Piauí, Meladão, BR-343, KM 3,5. Meladão, Floriano, Piauí, cep 64808-605.

João Carlos Hipólito Bernardes do Nascimento, Universidade Federal do Piauí

Doutor em Ciências Contábeis, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em Ciências Contábeis, Fucape Business School. Bacharel em Ciências Contábeis, Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina, Universidade Federal do Piauí. Mestrado profissional em Gestão Pública. Mestrado profissional em Administração Pública, campus universitário Ministro Petrônio Portella, Ininga, Teresina, Piauí, Brasil.

Correio eletrônico: joaohipolito@ufpi.edu.br

ORCID: http://orcid.org/0000-0003-3505-372X

Flávia Lorenne Sampaio Barbosa, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Administração, Universidade de Fortaleza, Ceará. Mestra em Administração, Universidade de Fortaleza, Ceará. Graduada em Administração, Universidade Fernando Pessoa. Mestrado profissional em Gestão Pública. Mestrado profissional em Administração Pública, campus universitário Ministro Petrônio Portella, Ininga, Teresina, Piauí, Brasil.

Correio eletrônico: 

 

Alexandre Rabêlo Neto, Universidade Federal do Piauí

Doutor em Administração de Empresas, Universidade de Fortaleza. Mestre em Administração de Empresas, Universidade de Fortaleza. Bacharel em Administração de Empresas, Universidade Estadual do Piauí. Universidade Federal do Piauí. Mestrado profissional em Gestão Pública. Mestrado profissional em Administração Pública, campus universitário Ministro Petrônio Portella, Ininga, Teresina, Piauí, Brasil.

Maurício Corrêa da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutor em Ciências Contábeis, Multi-institucional das UNB-UFPB-UFRN. Mestre em Ciências Contábeis, Multi-institucional das UBN-UFPB-UFPE-UFRN. Bacharel em Ciências Contábeis, Sociedade Civil Colégio Moderno, Faculdades Integradas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. 

Correio eletrônico: prof.mauriciocsilva@gmail.com

ORCID: http://orcid.org/0000-0003-2036-5237

 

Referencias Bibliográficas

Andrade, L. P. D., Salazar, G. T., Calegário, C. L. L. e Silva, S. S. (2009). Governança corporativa: uma análise da relação do conselho de administração como valor de mercado e desempenho das empresas brasileiras. Revista de Administração Mackenzie (ram), 10(4), 4-31. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-69712009000400002

Assaf Neto, A. (2012). Finanças corporativas e valor. Atlas.

Azevedo, H., Luca, M. M. M., Holanda, A. P., Ponte, V. M. R. e Santos, S. M. (2014). Código de conduta: grau de adesão às recomendações do ibgc pelas empresas listadas na bm&fBovespa. Revista Base (Administração e Contabilidade) da unisinos, 11(1). https://doi.org/10.4013/base.2014.111.01

Barbosa, F., Cabral, J., Nascimento, J. e Bizzaria, F. (2021). Corporate governance, dynamic capabilities and business performance in companies listed in Brasil, Bolsa, Balcão S/A (b3 s/a). Revista de Administração da ufsm, 14(1), 182-201. https://doi.org/10.5902/1983465942441.

Barros, C. M. E., Soares, R. O. e Lima, G. A. S. F. (2013). A relação entre governança corporativa e gerenciamento de resultados em empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 7(19), 27-39. http://dx.doi.org/10.11606/rco.v7i19.55509.

BM&FBovespa. (2016). Segmentos de listagem. http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/listagem/acoes/segmentos-de-listagem/sobre-segmentos-de-listagem/

Brito, R. P. e Brito, L. A. L. (2012). Vantagem competitiva, criação de valor e seus efeitos sobre o desempenho. Revista de Administração de Empresas (rae), 52(1), 70-84. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902012000100006

Caixe, D. F. e Krauter, E. (2013). A influência da estrutura de propriedade e controle sobre o vm corporativo no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 24(62), 142-153. https://doi.org/10.1590/S1519-70772013000200005

Catapan, A. e Colauto, R. D. (2014). Governança corporativa: uma análise de sua relação com o desempenho econômico-financeiro de empresas cotadas no Brasil nos anos de 2010-2012. Contaduría y Administración, 59(3), 137-164. https://doi.org/10.1016/S0186-1042(14)71268-9

Catapan, A., Colauto, R. D. e Barros, C. M. E. (2013). A relação entre a governança corporativa e o desempenho econômico-financeiro de empresas de capital aberto do Brasil. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 16(2), 16-30. https://www.revistacgg.org/contabil/article/view/467

Chin, W. W. (1998). The partial least squares approach to structural equation modeling. Em G. A. Marcoulides (ed.), Modern methods for business research (pp. 295-358). Lawrence Erlbaum.

Correia, L. F. e Amaral, H. F. (2008). Arcabouço teórico para os estudos de governança corporativa: os pressupostos subjacentes à teoria da agência. Revista de Gestão (rege), 15(3), 1-10. https://doi.org/10.5700/issn.2177-8736.rege.2008.36642

Fama, E. F. e Jensen, M. C. (1983). Separation of ownership and control. The journal of law and Economics, 26(2), 301-325. http://dx.doi.org/10.1086/467037

Gitman, L. J. (2001). Princípios de Administração Financeira (J. Ritter, trad., 2ª ed.). Bookman.

Gompers, P. A., Ishii, J. L. e Metrick, A. (2003). Corporate governance and equity prices. Quarterly Journal of Economics, 118(1), 107-155. http://dx.doi.org/10.1162/00335530360535162

Hair Jr, J. F., Hult, G. T. M., Ringle, C. e Sarstedt, M. (2016). A primer on partial least squares structural equation modeling (pls-sem). Sage Publications.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2010). Código das melhores práticas de Governança Corporativa. https://www.passeidireto.com/arquivo/33323924/codigo-de-melhores-praticas-de-governanca-corporativa

Jacometti, M. (2012). Considerações sobre a evolução da governança corporativa no contexto brasileiro: uma análise a partir da perspectiva weberiana. Revista de Administração Pública, 46(3), 753-773. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122012000300007

Jensen, M. C. e Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of financial economics, 3(4), 305-360. http://dx.doi.org/10.1007/978-94-009-9257-3_8

Junqueira, L. R., Soares, C. H., Mesquita, M. C. e Bertucci, L. A. (2014). Influência da teoria de agência na alavancagem das empresas brasileiras. Revista Economia & Gestão, 14(35), 182-209. https://doi.org/10.5752/P.1984-6606.2014v14n35p182

Klapper, L. F. e Love, I. (2004). Corporate governance, investor protection, and performance in emerging markets. Journal of corporate Finance, 10(5), 703-728. http://dx.doi.org/10.1080/17938120.2014.886421

Kock, N. (2015). WarpPLS 5.0 user manual. ScriptWarp Systems.

Krieck, P. A. e Kayo, E. K. (2013). Teoria da agência e governança corporativa: um estudo de evento em fusões e aquisições de 2000 a 2012. Revista de Finanças Aplicadas, 1, 1-17. http://www.spell.org.br/documentos/ver/42464/teoria-da-agencia-e-governanca-corporativa--um-estudo-de-evento-em-fusoes-e-aquisicoes-de-2000-a-2012/i/pt-br

Lameira, V. D. J., Ness Junior, W. L. e Macedo-Soares, T. D. L. A. (2007). Governança corporativa: impactos no valor das companhias abertas brasileiras. Revista de Administração (rausp), 42(1), 64-73. https://doi.org/10.1590/S0080-21072007000100006

Leal, R. P. e Carvalhal-da-Silva, A. L. (2007). Investor protection and corporate: Firm-level evidence across Latin America. The Inter-American Development Bank.

Lima, S. H. O, Oliveira, F. D., Cabral, A. C. A., Santos, S. M. e Pessoa, M. N. M. (2015). Governança corporativa e desempenho econômico: uma análise dos indicadores de desempenho entre os três níveis do mercado diferenciado da bm&fBovespa. Revista de Gestão (rege), 22(2), 187-204. https://doi.org/10.5700/rege558

Marques, T. A., Guimarães, T. M. e Peixoto, F. M. (2015). A concentração acionária no Brasil: análise dos impactos no desempenho, valor e risco das empresas. Revista de Administração Mackenzie, 16(4), 100-133. http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n4p100-133

Melo, R. S., Batista, P. C. S., Macedo, A. C. M. e Costa, R. B. L. (2013). A contribuição da governança corporativa para o desempenho das empresas brasileiras de capital aberto. Revista de Gestão (rege), 20(1), 79-92. http://www.spell.org.br/documentos/ver/10146/a-contribuicao-da-governanca-corporativa-para-o-desempenho-das-empresas-brasileiras-de-capital-aberto/i/pt-br

Nascimento, J. C. H. B. e Macedo, M. A. S. (2016). Modelagem de Equações Estruturais com Mínimos Quadrados Parciais: um Exemplo da Aplicação do Smartpls® em Pesquisas em Contabilidade. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (repec), 10(3), 289-313. https://doi.org/10.17524/repec.v10i3.1376

Nascimento, J. C. H. B., Angotti, M., Macedo, M. A. S. e Bortolon, P. M. (2018). As relações entre governança corporativa, risco e endividamento e suas influências no desempenho financeiro e no valor de mercado de empresas brasileiras. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11(1), 166-185. https://doi.org/10.14392/ASAA.2018110109

Pearl, J. (2009). Causality: Models, reasoning, and inference. Cambridge University Press.

Ross, S. A., Westerfield, R. W. e Jordan, B. D. (2002). Administração Financeira (2ª ed.). Atlas.

Rossetti, J. P. e Andrade, A. (2012). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências (6ª ed.). Atlas.

Scalzer, R. S., Almeida, J. C. G. e Costa, F. M. (2008). Níveis diferenciados de governança corporativa e grau de conservadorismo: estudo empírico em companhias abertas listadas na Bovespa. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(2), 117-130. https://doi.org/10.11606/rco.v2i2.34709

Shleifer, A. e Vishny, R. (1997). A survey of corporate governance. The Journal of Finance, 52(2), 737-783. https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1997.tb04820.x

Silva, M. B. e Câmara, S. F. (2015). A governança corporativa como um diferencial para o valor de mercado das empresas listadas na bm&fBovespa no ano de 2012. Revista de Gestão e Contabilidade da ufpi, 2(1), 152-170. https://doi.org/10.26694/2358.1735.2015.v2ed13579

Silveira, A. D. M. (2015). Governança corporativa no Brasil e no mundo: teoria e prática. Elsevier Brasil.

Tirole, J. (2010). The theory of corporate finance. Princeton University Press.

Vilhena, F. A. C. e Camargos, M. A. (2015). Governança corporativa, criação de valor e desempenho econômico-financeiro: evidências do mercado brasileiro com dados em painel, 2005-2011. Revista de Gestão (rege), 22(1), 77-96. https://doi.org/10.5700/rege55

Cómo citar
Duarte Carreiro, N. K., Bernardes do Nascimento, J. C. H., Sampaio Barbosa, F. L., Rabêlo Neto, A., & Corrêa da Silva, M. (2021). Relaciones entre gobernanza corporativa, desempeño financiero y valor de mercado: un análisis en el contexto brasileño. Revista Facultad De Ciencias Económicas, 29(2), 11-28. https://doi.org/10.18359/rfce.4028
Publicado
2021-10-06
Sección
Artículos
Crossref Cited-by logo

Más sobre este tema